PREVENÇÃO DE RISCOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS NA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS
 

Rotinas Preventivas para Tomadores de Serviços Terceirizados

  • - Conhecer detalhadamente as metas a serem atingidas com o projeto de terceirização, de uma forma global na empresa;
    - Avaliar os critérios que foram adotados para a decisão de terceirizar;
    - Avaliar os riscos envolvidos e as conseqüências, nas esferas legal, trabalhista e previdenciária;
    - Definir o PERFIL do prestador de serviços;
    - Avaliação correta do TERCEIRO quanto à sua CAPACIDADE EMPRESARIAL;
    - Desenvolver programas de treinamento interno, a fim de evitar-se qualquer postura de direção, fiscalização ou controle.

 

AS SEIS EXIGÊNCIAS ÉTICAS DO AUDITOR

Exigência

Diz respeito a:

Motivo

Subordinação hierárquica dentro da empresa

Achando-se, como de praxe, responsável pelo seu serviço, debaixo dos escalões mais altos da administração (e só a ela prestando contas do seu trabalho), deve respeitar também a ordem hierárquica dos setores que esteja revisando, dirigindo-se sempre, em primeiro lugar, aos chefes respectivos, que então o encaminharão aos atuais executantes dos serviços.

Modo de trabalho

O Auditor pede e não exige a colaboração do setor sob revisão, e com modos que o tornem simpático ao pessoal envolvido. As eventuais “exigências”, necessárias, devem sempre ser formuladas respeitando-se o trabalho alheio (fechamento de livros, relatórios mensais à Matriz, etc.), embora nem sempre isto seja possível.

Envolvimento em Política Interna

Em todas as organizações existem, infelizmente, grupinhos e grupos que visam ao seu próprio engrandecimento ou influência. Um bom Auditor pode ouvir e sentir tais grupos, não participando nunca de tal política, direta ou indiretamente, assegurando assim sua função independente.

Discrição

Tendo acesso (em geral) a documentos e informações sigilosas, manterá sempre sigilo absoluto, não se servindo de detalhes desta natureza para engrandecimento pessoal ou de grupos.

Tratando-se de assuntos que possam afetar a empresa, quando muito poderá ser discutido com seu superior, porém sempre de forma discreta.

Observância e cumprimento dos regulamentos

Pertencendo ao grupo (ou escalão) administrativo, cabe ao Auditor Interno, talvez mais do que a qualquer outro empregado, a estrita observância de regras existente na empresa.

Comportamento Pessoal

Um Auditor eficiente é afável (mas não subserviente), saberá formular suas perguntas e fazer suas pesquisas, com modos, e sem exigências descabidas.

Deve manter bons contatos humanos, sem coleguismo exagerado, e saber “vender” a idéia básica que tem também uma tarefa a cumprir.



 

O Portal de Auditoria/Escola de Auditoria, vem desde 2005, através de seus profissionais, propagando Auditoria Interna como ferramenta de gestão pelos países de língua portuguesa, transcendendo o território físico do Brasil,  dessa forma disponibilizamos aos nossos usuários e clientes conteúdos diversos sobre o tema, assim como diversos cursos para capacitação e desenvolvimento profissional.

Atualize-se de mais assuntos de Auditoria Interna através das redes sociais do Portal de Auditoria/Escola de Auditoria

     


Veja mais assuntos publicados sobre Auditoria Interna

Conheça nossos cursos Online de Auditoria

 

 

 


   

 

 Auditoria Interna | Formação de Auditores Internos  Como Implementar a Auditoria | Documentação de Auditoria Interna Auditoria, Controle Interno e Gestão de Riscos | Auditoria para Pequenas e Médias Empresas | Auditoria Ferramenta de Avaliação | Auditoria Interna em Recursos Humanos | Contratos Terceirizados | Canal de Denúncias | Auditoria Interna de Compliance | Boas Práticas Internacionais | Auditoria Operacional em Estoques | Auditoria de Logística  | Auditoria em Bens Patrimoniais | Auditoria em Contas a Pagar |  Holding Familiar |