Curso - Créditos admitidos na sistemática não-cumulativa de PIS e COFINS - "Otimizando a utilização de Créditos"


SISTEMAS DE ACUMULAÇÃO DE CUSTOS

 

Sistema de acumulação de custos representa a forma com que os custos são transferidos aos produtos ou serviços.

 

Uma vez calculado os custos de cada centro de custo, é necessário transferir tais custos aos produtos ou serviços.

 

Então, basicamente, o esquema de trabalho na apuração dos custos será:

 

1. Determinar os custos diretos e contabilizá-los aos respectivos centros.

2. Fazer o rateio dos custos indiretos e transferi-los aos centros de custos.

3. Transferir os custos assim determinados (1 e 2), incluindo os custos de materiais diretos, para os produtos.

 

Esta transferência será debitada á conta específica de estoques de produtos em elaboração e creditada na conta de transferência de custos (no subgrupo das contas de centro de custos).

 

Posteriormente, os produtos que forem concluídos serão transferidos para o estoque de produtos acabados.

 

Exemplo:

 

Transferência dos custos de acabamento para os produtos em elaboração:

 

D – Estoques de Produtos em Elaboração (Ativo Circulante)

C – Transferência de Custos – Acabamento (Conta de Custos)

 

Na seqüência, os produtos que tiveram sua fabricação concluída, serão transferidos para a conta de estoques de produtos acabados:

 

D – Estoques de Produtos Acabados (Ativo Circulante)

C - Estoques de Produtos em Elaboração (Ativo Circulante)

 

Finalmente, o custo dos produtos vendidos será contabilizado como segue:

 

D – Custo dos Produtos Vendidos (Conta de Resultado)

C - Estoques de Produtos Acabados (Ativo Circulante)

 

Então, para formar o valor do custo de cada produto, deve-se utilizar um critério específico e coerente (regular), de acordo com uma metodologia lógica, racional.

 

Antes de decidir quanto ao sistema ou à modalidade de custeio a ser adotada, a empresa deverá escolher o seu sistema de acumulação de custos, orientando-se, estritamente, pelo sistema produtivo da empresa.

 

Existem dois sistemas básicos de produção - o sistema de produção por encomenda e o sistema de produção contínua.

 

SISTEMA DE PRODUÇÃO CONTÍNUA: caracteriza-se pela fabricação em série de produtos padronizados.

 

SISTEMA DE PRODUÇÃO POR ENCOMENDA: caracteriza-se pela fabricação descontínua de produtos não padronizados.

 

Adotará o sistema de acumulação de custos por ordem ou encomenda a indústria cujo sistema produtivo for predominantemente descontínuo, produzindo bens ou serviços não padronizados e, geralmente, sob encomenda específica dos seus clientes.

 

A empresa que produz, em série, bens ou serviços padronizados deverá adotar o sistema de acumulação de custos por processo.

 

Então, de acordo com o sistema de produção, é que se definirá qual será o “sistema de acumulação de custos”:

 

1.       Por processo (para produção contínua)

2.       Por ordem de produção (para produção por encomenda).

 

Ambos os processos são perfeitamente viáveis e aceitáveis contábil e fiscalmente. O importante é que um ou outro seja aplicado com base no custo por absorção e pelos custos reais incorridos.

 

SISTEMA DE ACUMULAÇÃO POR PROCESSO (OU CONTÍNUO)

 

Quando a fábrica produz de modo contínuo, em série ou em massa, a preocupação da Contabilidade de Custos é determinar e controlar os custos pelos departamentos, pelos setores, pelas fases de produção (processos) e em seguida dividir esses custos pela quantidade de produtos fabricados no processo, durante certo período - custear o processo fabril em determinado período.

 

O sistema de custos por processo não se preocupa em contabilizar os custos de itens individuais ou grupos de itens. Ao invés disso, todos os custos são acumulados por fase do processo, por operação ou por departamento (centros de custos) e alocados aos produtos em bases sistemáticas.

 

Esses sistemas são usualmente utilizados em entidades que produzem grandes volumes de produtos uniformes em bases contínuas, como, por exemplo: eletrodomésticos, veículos, móveis (padronizados – em linha), etc.

 

Em tese, fica fácil para a contabilidade de custos determinar o custo de produção de cada produto, pois bastará dividir todos os custos pelas unidades físicas produzidas no período:

 

Custo unitário de produção = Custo Total no Período : Unidades Produzidas no Período.

 

BASE DE INFORMAÇÕES

 

Para atribuir-se os custos a diversos produtos, diferentes entre si (com etapas de produção também diferentes), deve-se estabelecer um fluxo regular mínimo de informações da engenharia de fábrica.

 

A contabilidade não “inventa” custos ou dados, mas, objetivamente, baseia-se em apontamentos, cálculos e medições, boa parte advinda do próprio setor produtivo.


A principal informação é a quantidade física de produtos em movimentação (ou serviços executados), detalhados em:

 

·          Quantidade de produtos/serviços produzidos, no período.

·          Quantidade de produtos/serviços que permanecem em processamento, no final do período.

 

Outras informações técnicas, como a ficha técnica do produto, unidades processadas por centro de custos, etc. irão compor os dados necessários para que a contabilidade de custos possa distribuir os custos de forma adequada entre os produtos fabricados ou em fabricação.

 

CUSTO DO PRODUTO

 

No processo contínuo, normalmente se custeia os diversos produtos, dividindo-se o custo apurado em cada centro de custo pelas unidades de produtos processados naquele centro.

 

Se a engenharia de produção informar, regularmente, o tempo dispendido para execução do processamento (horas/homem ou horas/máquina) entre os produtos, pode-se utilizar tal parâmetro para distribuição dos custos.

 

Em resumo, os passos para se obter o custo dos produtos ou serviços será:

 

1.       Realizar todas as contabilizações do mês, relativamente aos custos (folha de pagamento, provisão de férias e 13º salário, encargos sociais, gastos de manutenção, apropriação das contas de luz, água, cálculo das depreciações, etc.).

2.       Fazer a alocação dos custos indiretos aos diversos centros de custo.

3.       Distribuir os custos para os produtos ou serviços.

Conteúdo retirado da Obra Contabilidade Gerencial, para acessar mais assuntos atualizados, clique aqui.

Manual de Contabilidade Gerencial

 

Assuntos relacionados: Alavancagem operacional e financeira | A utilização da Contabilidade como elemento formador do Planejamento Tributário

 

Veja também outros cursos previstos para São Paulo | Belo Horizonte | Curitiba | Rio de Janeiro | Cadastre-se


Auditoria Interna | Formação de Auditores Internos Auditoria Gerencial | Amostragem em Auditoria | Auditoria Trabalhista | Auditoria Tributária | Auditoria Contábil | Auditoria Fiscal de ICMS | Auditoria em Terceiros | Relatórios de Auditoria | Auditoria de Balanço | Auditoria de Custos | Auditoria - Teoria e prática | Gestão Tributária  | Planejamento Tributário | IRPF | Como Calcular Lucro Real | IRPJ - Lucro Real | IRPJ - Lucro Presumido | ICMS | CSLL | Super Simples | IPI | PIS/COFINS | Economia de Tributária | Fechamento de BalançoContabilidade Tributária | Demonstrações Financeiras | Reduza as dívidas Previdenciárias | Gestão Fiscal | Créditos do PIS e COFINS | Obras contábeis | Informações Tributárias | Informações Trabalhistas | Informações Contábeis